Erika Dantas | casas ajenas que tornamos nuestras

fotos Ivan Padovani

CASAS AJENAS QUE TORNAMOS NUESTRAS

Buenos Aires ——— São Paulo: 10 casas (2013-2017)

“Casas ajenas que tornamos nuestras” pesquisa que percorre a cartografia do desejo de apropriação de casas carregadas com seus registros culturais em lugares interindividuais recheados de próprias adaptações distintas. Retratos anônimos – porém familiares. Busca por materiais diversos – ser escolhido pelas autônomas bolas multicoloridas. Pequenos altares personalizados. Mudanças improvisadas. Carregamento braçal. [Um quarto herdado da casa Mexico,365]. [Muitos ternos caminhantes, tudo tão chato].

Partindo na ânsia do deslocamento, o trânsito da vida cotidiana e seus trajetos. Resulta a necessidade de experienciar o tempo subjetivo. [Processos de esvaziamento], [catapultar emoções]. Na construção da identidade orgânica desse elemento perspicaz e minucioso. [açúcar com cravo]

Maneiras de materializar o tempo [numa salsa marota “arroz con habichuela”] bailou entre colagens, janelas holográficas e bordados (canoas de tecidos) acessando expressões volumétricas texturizadas dos encontros vivenciados. [Suspender uma ponte para o encontro]. Memórias coletadas. Relações construídas. [Ele é um cubo futurista].

No contra-fluxo do ritmo da cidade constrói formas peculiares de compartilhar. Horta doméstica, fruto da força vital, mesmo com impacto da ação continua: regeneradora. Plantações no intenso cultivo que a ideia representa. [Tamanha distância] Desafia a cronologia, incide repetição de movimentos, abrange lógica de interpretação e produz reconhecimento dos afetos e territórios.

Kathy Carvalho

:::

Erika Dantas, se graduou em desenho de moda pela Faculdade Santa Marcelina em 2010. Entre 2011 e 2014 viveu em Buenos Aires, onde realizou acompanhamento artístico com os artistas Evangelina Aybar, Hernan Paganini e Paula Pograninsky. Em 2013, cria o projeto Ímã Cósmico, ao lado da artista Carol Cherubini, no intuito de usarem o bordado como matéria de pesquisa e prática, ministrando aulas em diversas instituições, tais como o Sesc e Faculdade Santa Marcelina. Volta a São Paulo em 2015, onde realizou o curso de cenografia e figurino na SP Escola de Teatro, e passa também a trabalhar com figurino para a indústria audiovisual. Atualmente, Erika segue com o projeto Ímã Cósmico, pesquisa também as técnicas de cerâmica e de colagem, e frequenta o grupo de acompanhamento de projetos de arte no Hermes Artes Visuais, ministrado por Nino Cais, Marcelo Amorim e Carla Chaim.